2 de março de 2008

Só sei que ...

Aos poucos o esforço, esse que é meu amigo não de infância mas incrivelmente fiel à mim , se faz mais que presente.Mesmo conhecendo-o há tão pouco e tão pouco ,não sei até onde ele me acompanhará . Ele é quase fatal, mas me ajuda tentando me dar mais força na minha convalescença.Passo por um miasma torturante mas incrivelmente , milagrosamente ,suportável , porque resta o final sempre tem o final o final ajuda o final serve de alvo o pouco que resta também estímula se não o ali tivesse nem sei.O final ,o que resta , digo também o futuro faz ter significado.E além do esforço fiel , tenho o infiel nisso tudo. As palavras. Infiéis e sorrateiras, pérfidas, por que?
Já disse uma vez , pra alguém em algum lugar , as palavras tomam forças sozinhas falo dessas que se escrevem. Elas se intensificam evoluem de forma diferente, sofrem mutações em cada cérebro e nos olhos dos que as vêem, lêem,elas te traem , te entregam porque se permitem exagerar-se sem te pedir anuência.Elas não traduzem simplesmente a realidade delicada mas o que ocorre é transfiguração pra mim elas são arte , a arte se transfigura.Vai à merda as palavras são inimigas precisas ...e que antítese agradável.Eu acho isso muitas vezes. A Clarice diz ''Sou tão implícita.E quando vou me explicitar perco a úmida intimidade''. Eu me explicito muitas vezes com ajuda das palavras.
Mas Clarice , não é somente por tua culpa não , acho que as palavras possuem um poder sobrenatural de evolução também ...porém é com elas que me permito liberdade. Elas são precisas e quando falo ''precisas'' não quero dizer ''certeiras'' mas que são a única forma ou umas das mais intensas então indispensáveis , únicas , o único ou talvez um dos meios , pro imediato, pro presente , pro instante , pro já se deixar espelhar.Traduz cruelmente muitas vezes.Infiéis amigas da necessidade demasiada pela liberdade de se deixar mostrar o que se encontra e como se encontra.Elas querem se vestir de ti , ser você pelo ao menos no presente, no instante , no já , eu entendo elas apesar de tudo ou de nada. Eu faço uso delas e elas fazem uso de mim quase abusam é uma guerra justa, mas sempre saio com sensação de fracasso elas são fortes e intensas, mas eu as entendo , são inimigas precisas, pra mim elas definem a antítese. E por serem útil a mim merecem todo o meu apreço. Me deixam bem e leve , mesmo tendo eu por elas receio.As respeito.Tenho o fiel e o infiel os dois se somam e é à eles que recorro , os dois formam o meu refúgio.Graças à mim , me desculpe senhor Deus.

6 comentários:

  1. rapaz, eu fiquei com preguiça de ler oh, mas já que eu vim aqui e vi aquela arte lá do 'reuniões secretas no porão do meu cérebro'
    eu te pergunto, foi vc que fez? Oo
    ficou demaaaais.

    ResponderExcluir
  2. 'só sei que nada sei'
    desculpe, mas eu não pude evitar de completar a frase, encaixa perfeitamente com o texto..
    =)

    ResponderExcluir
  3. só sei que...
    que todas essas coisas e sentimentos..
    são palavras..
    e o melhor caminho..
    para não ficar perdida em anseios e desejos..
    é saber o que estas palavras significam..
    e utilizá-las e lhe darem sentidos..
    é fzr um Post e passar alguma emoção. ;]
    ;*

    ResponderExcluir
  4. o que disse Clarice cabe-me muito bem...
    As palavras sempre foram minha forma de liberdade -palavras escritas são pensamentos expressivos mais bem elaborados...
    gostei do seu blog tbm!
    posso linkar?

    ResponderExcluir
  5. o que sei, o que eu sabia e o que eu aprendi, é que cada palavra que alguém solta no papel tem um sentido único e que visto com vários pensamento, o que eu penso, é que cada pessoa tenta se colocar no lugar onde estais pra poder saber o que passa no seu intimismo, cada texto é o porquê de cada pensamento.

    ResponderExcluir

dá pitaco