Pular para o conteúdo principal

20º






Um longo abraço de tempo que não vejo e um até logo de boa viagem
E comigo permanece o perfume fingindo presença
Pois prefiro a minha
certeza, confio somente nela
Acredito no que sinto, por perceber o bem pela essência
Minhas intuições herdadas das veias maternais, não as ignoro mais

Nunca mais
Prefiro manjericão à salsa
Magritte à Dali múltiplas vezes

A escrotice de Duchamp

As tulipas
pra não dizer que não falei das flores
O Preto sobre o Branco Malevich-iano

Prefiro o que eu prefiro
Zapata à Morales

Graças a deus
Pancho Vila à Clinton ( convenção talvez)
Tenho ainda à mim, além de todos

Sin perder la ternura jamais
Tenho pra mim os meus estorvos
Estão comigo quem me escolhe

Teem à mim quando sofrem
Estão pra mim quando sofro

Sei quem são
Minhas escolhas são a lá ready made eu elevo ou relevo tudo aquilo que foi mijado
Com causa fundada ou infundada

O tudo ou nada
Se na merda não arrasto comigo nenhum alheio sorriso convalescente

Deixo seguir, não sou empedidora de passos

Não mendigo querer
Prefiro a escrotice de Duchamp
O Preto sobre o Branco Malevich-iano
Prefiro o q
ue eu prefiro
Zap
ata à Morales
Graças a deu
s




Comentários

  1. é impressionante como vc consegue usar as palavras a seu favor, thalyta.
    convence-as. e é engraçado.
    prefere a sua certeza, confia somente nela..
    com causa fundada ou infundada:
    prefere o tudo ou então prefere o nada hein?

    ResponderExcluir
  2. você que escreveu isso ? acho que de tudo que li seu, esse foi o melhor, prima. adorei!

    ResponderExcluir
  3. Graças a Deus!!!

    PS.: blog de minina é foda neh? o quadro, a tela, a figura, tah linda...

    ResponderExcluir
  4. Lindo. Simplesmente. Lita.

    P.S.: e toda vez q venho aqui é um template novo... oh my... :P

    ResponderExcluir

Postar um comentário

dá pitaco

Postagens mais visitadas deste blog

Relato sobre a viagem de férias para a Venezuela - Isla Margarita/ Valência ( Tucacas e Chichiriviche)

Como havia dito resolvi fazer um relato descrevendo a minha experiência na ilha, pois sei que ajuda muito quando queremos fazer uma viagem, principalmente para outro país, e você encontra alguém que já foi pra te tirar dúvidas e dar dicas. É claro que tudo que eu vou dizer será baseado na forma que fui, quem contratei etc, cada terá uma experiência diferente. Neste relato separarei os temas por tópicos, desta forma você só ler o que lhe interessar ;)
Documentos necessários RG –  você precisara dele para tirar sua “permiso”, uma ficha com seus dados, carimbada na fronteira pela Instituição Venezuelana chamada SAIME. Passaporte não é necessário pois a Venezuela é um país integrante do MERCOSUL, leve ele somente se você estiver sem RG, ou se seu RG tiver com a data de emissão vencida( ter mais de 10 anos)
O permiso será um documento que você apresentará em vários lugares ( barreiras rodoviárias, hotéis, na entrada de alguns parques etc) portanto cuidado para não perder, caso isso aconteça, …

Da Arquitetura e suas formas -Memorial descritivo do Terminal Rodoviário.

A Rodoviária que idealizei apresenta elementos que vão além da sua principal função que é locomoção interestadual. Apresentando dois pavimentos ela conta com serviços voltados ao cidadão, caixas eletrônicos, correios, posto de vacinação, salão cultural e uma ampla área destinada à alimentação, todos esses serviços levam cultura e lazer para os moradores do bairro servindo como uma opção de entretenimento daquela região. Para os que os futuros passageiros ou recém chegados a rodoviária apresenta estrutura que atende-os confortavelmente, contando com balcão de informação, saguão de espera amplo com vista para as saídas e chegadas de ônibus tanto no térreo quanto no pavimento superior.Para aqueles que ainda estão em viagem o edifício oferece, sala de espera e banheiros com a estrutura necessária para que o usuário usufrua-o da melhor maneira. Os funcionários trabalharão em espaços bem pensados e dimensionados de acordo com as suas rotinas de trabalho, funcionários da limpeza terão sala p…
As unhas afiadas reverberam no crânio, e elas, finas e precisas trazem êxtase e sono.
Durmo, ainda que de olhos abertos, desconectada do agora, no arrepio dos pelos, um bocejo e uma lágrima.