25 de abril de 2009

20º






Um longo abraço de tempo que não vejo e um até logo de boa viagem
E comigo permanece o perfume fingindo presença
Pois prefiro a minha
certeza, confio somente nela
Acredito no que sinto, por perceber o bem pela essência
Minhas intuições herdadas das veias maternais, não as ignoro mais

Nunca mais
Prefiro manjericão à salsa
Magritte à Dali múltiplas vezes

A escrotice de Duchamp

As tulipas
pra não dizer que não falei das flores
O Preto sobre o Branco Malevich-iano

Prefiro o que eu prefiro
Zapata à Morales

Graças a deus
Pancho Vila à Clinton ( convenção talvez)
Tenho ainda à mim, além de todos

Sin perder la ternura jamais
Tenho pra mim os meus estorvos
Estão comigo quem me escolhe

Teem à mim quando sofrem
Estão pra mim quando sofro

Sei quem são
Minhas escolhas são a lá ready made eu elevo ou relevo tudo aquilo que foi mijado
Com causa fundada ou infundada

O tudo ou nada
Se na merda não arrasto comigo nenhum alheio sorriso convalescente

Deixo seguir, não sou empedidora de passos

Não mendigo querer
Prefiro a escrotice de Duchamp
O Preto sobre o Branco Malevich-iano
Prefiro o q
ue eu prefiro
Zap
ata à Morales
Graças a deu
s




4 comentários:

  1. é impressionante como vc consegue usar as palavras a seu favor, thalyta.
    convence-as. e é engraçado.
    prefere a sua certeza, confia somente nela..
    com causa fundada ou infundada:
    prefere o tudo ou então prefere o nada hein?

    ResponderExcluir
  2. você que escreveu isso ? acho que de tudo que li seu, esse foi o melhor, prima. adorei!

    ResponderExcluir
  3. Graças a Deus!!!

    PS.: blog de minina é foda neh? o quadro, a tela, a figura, tah linda...

    ResponderExcluir
  4. Lindo. Simplesmente. Lita.

    P.S.: e toda vez q venho aqui é um template novo... oh my... :P

    ResponderExcluir

dá pitaco