8 de agosto de 2012

No meu bocejo inspiro todas as noites, há torpor. Perco água dos olhos, analgésicas.
Não me pertuba o estômago esse querer tímido por tua boca de cordel. Acho graça.

Um comentário:

dá pitaco