Pular para o conteúdo principal

24º

Era uma casa,dessas que as madeiras remendadas deixam toda a estrutura de pé,uma arquitetura absolutamente vernacular, vernacular do alto grau.No quintal um cachorro solto e na coleira esfolada,se via a vontade dele de ser livre,(falo daquela liberdade que vai além da desobediência).Havia também lama, dessas formadas pelo pisar de galinhas e sabe lá mais o que diabos... é diabos! porque Deus nessas horas não se vê,acho que Deus não está no que é feio( ou sim, ou talvez).Havia eu,que tinha medo de cachorro,mesmo havendo em mim, além do medo, a consciência de que ele não apresentava perigo algum( lhe faltavam forças e quem sabe dentes) mas ele esbanjava coragem no seu latido rouco e tímido.Antes de entrar bati palmas,a dona me olhou de '' cabo à rabo'' até focar a trena que eu segurava nas mãos e me recebeu, como todo morador desse tipo de casa nos recebe:no portão seguido de um ''fica à vontade e não repara a bagunça''.Mas eu realmente não tive o que reparar, tava tudo ali exposto de forma crua.Adentrei à casa (que parecia um labirinto),mil móveis velhos, aparelhos em desuso eram quase arcaicos,toca-fitas,toca long plays, televisão quebrada no balcão da cozinha( como se fosse objeto de ''decoração'')...roupas das crianças por toda a parte do chão.Eu sentia um nojo cru, que só a realidade te faz sentir e o mais incrível também que é o:não sentir nojo(ao mesmo tempo) pois de certa forma quanto mais podre,pobre,poluída é a cena,mais vemos reflexos nossos.
-Oi?, viemos lhes desapropriar...(não foi bem assim, não é assim que prega a psicologia)
-Eu já esperava...(ela dizia com um ar de foda-se tudo isso aqui, eu já não quero)
Fazendo surpreender com o desprendimento,eu não sei realmente onde estava o valor que ela agregava àquilo tudo, porque puxa vida...eram seus pertences,seu lugar,parte de sua vida.
Ela era mãe de 5 filhos( iniciamente solteira),mulher bonita, tinha os olhos claros, cabelos lisos e castanho-claro que nem o coque amarrotado na cabeça negou tinha um nariz afilado e um olhar triste e vago.Enquanto ela respondia um questionário chato e sócio-econômico eu caminhava anotando cada perímetro,metro,notando cada ponto na compania de duas crianças,a Nazaré que mal fala e de seu irmão, enquanto eu caminhava pela casa cheia de cômodos e remendos,notei várias fotografias do seu provável marido... estavam em todos os lugares (...)



Comentários

  1. graças pq essa de layout tá me fazendo arrepender haha culpa tua!

    ResponderExcluir
  2. O mal estar da modernização. Tenho pensado tanto nisso... Não só pq sou obrigada a ler mil livrinhos sobre o assunto para não reprovar em Ciência Política, mas também porque nossa realidade é tão crua e ao mesmo tempo tão não vista. E tão absurda. E tão sem solução. Fico pessimista.

    ResponderExcluir
  3. agooooooooora, eu consigo comentar.
    Eu fico imaginando, como deve ser entrar nessas casas e ver tanta coisa, tanta coisa "crua"..
    Mas também, não vamos jogar a deus tantas coisas, ele é apenas a imagem, que botamos a culpa de tantas coisas no mundo.
    Por mais feia e podre, que seja a casinha, no fundo ela não queria sair dalí.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

dá pitaco

Postagens mais visitadas deste blog

Da Arquitetura e suas formas -Memorial descritivo do Terminal Rodoviário.

A Rodoviária que idealizei apresenta elementos que vão além da sua principal função que é locomoção interestadual. Apresentando dois pavimentos ela conta com serviços voltados ao cidadão, caixas eletrônicos, correios, posto de vacinação, salão cultural e uma ampla área destinada à alimentação, todos esses serviços levam cultura e lazer para os moradores do bairro servindo como uma opção de entretenimento daquela região. Para os que os futuros passageiros ou recém chegados a rodoviária apresenta estrutura que atende-os confortavelmente, contando com balcão de informação, saguão de espera amplo com vista para as saídas e chegadas de ônibus tanto no térreo quanto no pavimento superior.Para aqueles que ainda estão em viagem o edifício oferece, sala de espera e banheiros com a estrutura necessária para que o usuário usufrua-o da melhor maneira. Os funcionários trabalharão em espaços bem pensados e dimensionados de acordo com as suas rotinas de trabalho, funcionários da limpeza terão sala p…

Relato sobre a viagem de férias para a Venezuela - Isla Margarita/ Valência ( Tucacas e Chichiriviche)

Como havia dito resolvi fazer um relato descrevendo a minha experiência na ilha, pois sei que ajuda muito quando queremos fazer uma viagem, principalmente para outro país, e você encontra alguém que já foi pra te tirar dúvidas e dar dicas. É claro que tudo que eu vou dizer será baseado na forma que fui, quem contratei etc, cada terá uma experiência diferente. Neste relato separarei os temas por tópicos, desta forma você só ler o que lhe interessar ;)
Documentos necessários RG –  você precisara dele para tirar sua “permiso”, uma ficha com seus dados, carimbada na fronteira pela Instituição Venezuelana chamada SAIME. Passaporte não é necessário pois a Venezuela é um país integrante do MERCOSUL, leve ele somente se você estiver sem RG, ou se seu RG tiver com a data de emissão vencida( ter mais de 10 anos)
O permiso será um documento que você apresentará em vários lugares ( barreiras rodoviárias, hotéis, na entrada de alguns parques etc) portanto cuidado para não perder, caso isso aconteça, …